Pelo prazo médio da Lava Jato, Lula pode ficar inelegível durante eleição

Terça / 28 Fev 2017 / 13h07
Foto: Reprodução

Se seguirem o ritmo de outros processos, as ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que correm pelas mãos de Sergio Moro podem torná-lo inelegível ainda antes do pleito de outubro de 2018. De acordo com levantamento realizado pelo Jornal Folha de São Paulo, nas seis ações da Lava Jato já julgadas em segunda instância mostra que levam, em média, 1 ano e 10 meses até chegarem a um veredicto no Tribunal Regional Federal (TRF) – a partir da denúncia. Mantido esse ritmo, o petista ficaria inelegível em meio à campanha de 2018 – entre julho e outubro. A inelegibilidade está na Lei da Ficha Limpa, que estabelece que todo condenado por um colegiado está impedido de se candidatar. Porém, mesmo condenado, o ex-presidente poderia concorrer se pedir uma liminar contra a decisão do TRF até o julgamento de recursos no Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou Supremo Tribunal Federal (STF). O petista, hoje, lidera as pesquisas de intenção de voto para 2018. O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirma que não considera a possibilidade de ele ser condenado. "Só uma arbitrariedade imensa poderia levar a isso. Não há provas que possam dar sustentação a uma condenação", diz. Lula responde a dois processos na Justiça Federal do Paraná: num deles, é acusado de ter se beneficiado de dinheiro de corrupção na compra e reforma de um tríplex no Guarujá. No outro, de ter recebido vantagem indevida por meio da Odebrecht, que pagou parte de um terreno onde seria a sede do Instituto Lula. Além disso, é réu em outras três ações que não estão em Curitiba.