Falando de Caculé - Por Luzmar Oliveira

Quinta / 04 Ago 2016 / 15h17
Foto: Reprodução

Falando de Caculé...

Quando entrava de férias da escola, arrumava a mala e corria pra Caculé. Lá moravam minhas irmãs Lourdes e Oneide. Normalmente ficava na casa da segunda, pois era mais parecida comigo, e por ser mais jovem que a outra, me deixava mais à vontade. Não que Madrinha Lourdes pegasse no meu pé, mas com Oneide e meu cunhado Orlando, tinha mais abertura para conversar.

 

Foi ali que tive meu primeiro namorado, o segundo, o terceiro... e todos rapazes lindos. Meus primeiros amores... Aliás, um deles, postulante a jogador de futebol, foi um dos homens mais bonitos que já conheci. Amores de uma adolescente cheia de sonhos, menos o de entrar numa igreja de véu e grinalda e assinar um compromisso que não queria ter. Namorar era bom demais, mas, quando se falava em casamento, o grito de liberdade que me é inerente, era bem mais alto e sonoro. (Aceito uniões, mas não amarrações documentadas. Nunca me casei oficialmente. Nada contra quem aceita, mas eu sou livre por natureza e nenhum documento me fará ser fiel se o amor acabar. Eu sou fiel sim, mas ao que sinto e ao que sentem por mim.)

 

Caculé, na época, era uma cidade pequena e bonita. Uma praça com um lindo jardim de Fícus, todos podados, um caramanchão no centro e um gramado verdinho. Não havia bancos. A gente ficava passeando de um lado pra outro no passeio do lado mais alto, e os rapazes ficavam em pé, conversando. Ali nasciam paqueras e amizades.