Caetité, pequenina e ilustre – Por Luzmar Oliveira

Sábado / 09 Mai 2015 / 22h49

Tuninha de vira – uma personagem marcante na história de Caetité

           

Este texto está sendo escrito por uma caetiteense, que viveu grande parte da sua vida em contato quase que diário com Tuninha e que teve sua infância e adolescência influenciada por ela, guardando, assim, inesquecíveis recordações do tempo desse convívio. Ao narrar algumas histórias, acentuo minha forma de perceber o perfil dessa mulher comprometida com os princípios da religião católica, que assistia assiduamente os atos da Igreja e era muito cuidadosa com a formação religiosa dos jovens da sua época que, também, frequentavam a Catedral de Nossa Senhora de Santana.

 

A nova geração de caetiteenses não conheceu Tuninha. Não sei bem o ano em que ela faleceu, mas já faz algum tempo. Faleceu em pleno uso das suas faculdades mentais. Não sabíamos nada sobre a sua família e o seu passado. Mas ela preenchia todo o seu tempo com diversas atividades, principalmente ligadas à religião. Tive a minha infância, cresci, tornei-me uma jovem, convivendo com a figura desta mulher. E tenho certeza que muitos dos meus contemporâneos guardam lembranças vivas da sua atuação nos atos litúrgicos, da sua constância nas missas, nas novenas, nas procissões, nos sermões, enfim, em todas as manifestações da vida religiosa de Caetité. Não tenho ido nessa cidade frequentemente. Moro em Salvador e escrevo sobre um tempo de anos atrás.