voltar ao topo

iCaetité

últimas notícias:

Caetité: homem vende carro e cai no golpe do depósito bancário falso

Festa de Sant’Ana 2017: um festival de fé, cultura e alegria em Caetité

Jovem é preso suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas em Caetité

Mais de 100 carros de boi participam de desfile em Caetité

Jovem é preso por tráfico de drogas em Bom Jesus da Lapa

Feira de Santana: Apostadores ateiam fogo em carros após suspeita de fraude em bingo

Carinhanha: casa foi tomada pelas chamas; proprietário suspeita que incêndio tenha sido criminoso

Riacho de Santana: Moto roubada é recuperada pela Polícia Militar

Jovem comete suicídio na zona rural de Carinhanha

Riacho de Santana: Homem morre em grave acidente na BR-430

FHC nega ‘acordão’ contra Lava Jato e defende diálogo “às claras” sobre crise

Campanha de vacinação contra gripe começa nesta segunda-feira

Bahia: 15 casos suspeitos de febre amarela são notificados em oito municípios

Prefeitura de Guanambi renova convênio de concessão do terminal rodoviário

Brumadense preso em Guanambi é alvejado por policiais ao tentar fugir da custódia

Caetité: Álvaro Montenegro é homenageado em Salvador com 'Medalha Tiradentes'

Bom Jesus da Lapa: Dupla atira e mata adolescente confundido com criminoso

Temer negociou propina de US$ 40 milhões para PMDB, diz delator

Homem comete suicídio por enforcamento na zona rural de Matina

Vacinação contra a gripe Influenza começa na próxima segunda-feira (17), em Guanambi

Remédio de marca custa até 28 vezes mais que o genérico, diz Procon

Quarta / 30 Mai 2012 / 00h00

Um medicamento de marca pode custar até 28 vezes o remédio genérico, segundo pesquisa do Procon de São Paulo. O órgão pesquisou o preço de 60 medicamentos (30 de marca e 30 genéricos) em 15 farmácias da cidade.

Em um estabelecimento da cidade, o medicamento genérico diclofenaco sódico (50 mg, 20 comprimidos) foi encontrado por R$ 0,90, enquanto, em outra farmácia, o Voltaren, marca com a mesma substância, foi encontrado por R$ 24,90.

Nesse caso, o Voltaren custa 28 vezes o genérico. A diferença entre um preço e outro é de 2.667%.

Na média, a diferença de preços entre genéricos e medicamentos é de 52,92% na capital paulista, segundo o Procon-SP.

No interior, diferença passa de 60%

O Procon também pesquisou os preços dos remédios em nove cidades do interior do Estado: Bauru, Caçapava, Campinas, Jundiaí, Marília, Santos, São José dos Campos, Sorocaba e Taubaté.

A maior variação média de preços entre medicamentos genéricos e de referência apontada pela pesquisa foi encontrada em São José dos Campos (60,23%).

A menor variação foi registrada em Jundiaí, onde os preços de remédios genéricos e de marca tiveram diferença de 46,42%, em média.

Itens da mesma categoria, porém, também têm diferenças grandes de preços, segundo o levantamento.

Considerando-se só medicamentos de referência, encontrou-se uma diferença de até 419% em Campinas. Essa foi a variação de preço do medicamento Cozaar (losartana potássica), da Merck Sharp (50mg, 30 comprimidos). Em um estabelecimento, a caixa do remédio era vendida a R$ 43,78; em outro, a R$ 8,44.

Outro exemplo foi de um medicamento genérico encontrado em Sorocaba, com diferença de preço de 719%. O diclofenaco sódico (50mg, 20 comprimidos) foi encontrado por R$ 11,38 e por R$ 1,39.