voltar ao topo

iCaetité

últimas notícias:

Caetité: homem vende carro e cai no golpe do depósito bancário falso

Festa de Sant’Ana 2017: um festival de fé, cultura e alegria em Caetité

Jovem é preso suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas em Caetité

Mais de 100 carros de boi participam de desfile em Caetité

Jovem é preso por tráfico de drogas em Bom Jesus da Lapa

Feira de Santana: Apostadores ateiam fogo em carros após suspeita de fraude em bingo

Carinhanha: casa foi tomada pelas chamas; proprietário suspeita que incêndio tenha sido criminoso

Riacho de Santana: Moto roubada é recuperada pela Polícia Militar

Jovem comete suicídio na zona rural de Carinhanha

Riacho de Santana: Homem morre em grave acidente na BR-430

FHC nega ‘acordão’ contra Lava Jato e defende diálogo “às claras” sobre crise

Campanha de vacinação contra gripe começa nesta segunda-feira

Bahia: 15 casos suspeitos de febre amarela são notificados em oito municípios

Prefeitura de Guanambi renova convênio de concessão do terminal rodoviário

Brumadense preso em Guanambi é alvejado por policiais ao tentar fugir da custódia

Caetité: Álvaro Montenegro é homenageado em Salvador com 'Medalha Tiradentes'

Bom Jesus da Lapa: Dupla atira e mata adolescente confundido com criminoso

Temer negociou propina de US$ 40 milhões para PMDB, diz delator

Homem comete suicídio por enforcamento na zona rural de Matina

Vacinação contra a gripe Influenza começa na próxima segunda-feira (17), em Guanambi

Prefeito e vice de Poções têm mandatos cassados por crime eleitoral

Quarta / 12 Abr 2017 / 21h46
Foto: Reprodução | Blog do Anderson

A Justiça Eleitoral cassou os mandatos do prefeito de Poções, no sudoeste baiano, Leandro Araújo Mascarenhas (PTB) e do vice Jorge Luiz Santos Lemos (PDT) por captação ilícita de recursos para a campanha em 2016. Embora a decisão tenha sido proferida no último dia 5, só foi divulgada na terça-feira (11/04) pelo Ministério Público Estadual (MPE), coautor da ação em parceria com a coligação “Por uma Poções cada vez melhor”. De acordo com a denúncia, o então candidato a vice teria doado R$ 82,7 mil para a campanha. Contudo, na declaração de bens do político constavam apenas R$ 42,5 mil em valores depositados nas próprias contas bancárias, segundo o registro de candidatura do pedetista. Após apuração, o MPE constatou que parte do dinheiro utilizado no pleito foi adquirido através de um empréstimo de R$ 50 mil feito por Jorge Lemos com uma pessoa física, operação proibida pela Resolução 23.462/15 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A decisão cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).