voltar ao topo

iCaetité

últimas notícias:

Caetité: homem vende carro e cai no golpe do depósito bancário falso

Festa de Sant’Ana 2017: um festival de fé, cultura e alegria em Caetité

Jovem é preso suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas em Caetité

Mais de 100 carros de boi participam de desfile em Caetité

Jovem é preso por tráfico de drogas em Bom Jesus da Lapa

Feira de Santana: Apostadores ateiam fogo em carros após suspeita de fraude em bingo

Carinhanha: casa foi tomada pelas chamas; proprietário suspeita que incêndio tenha sido criminoso

Riacho de Santana: Moto roubada é recuperada pela Polícia Militar

Jovem comete suicídio na zona rural de Carinhanha

Riacho de Santana: Homem morre em grave acidente na BR-430

FHC nega ‘acordão’ contra Lava Jato e defende diálogo “às claras” sobre crise

Campanha de vacinação contra gripe começa nesta segunda-feira

Bahia: 15 casos suspeitos de febre amarela são notificados em oito municípios

Prefeitura de Guanambi renova convênio de concessão do terminal rodoviário

Brumadense preso em Guanambi é alvejado por policiais ao tentar fugir da custódia

Caetité: Álvaro Montenegro é homenageado em Salvador com 'Medalha Tiradentes'

Bom Jesus da Lapa: Dupla atira e mata adolescente confundido com criminoso

Temer negociou propina de US$ 40 milhões para PMDB, diz delator

Homem comete suicídio por enforcamento na zona rural de Matina

Vacinação contra a gripe Influenza começa na próxima segunda-feira (17), em Guanambi

170 anos do nascimento do poeta Castro Alves: o Poeta dos Escravos e Caetité

Terça / 14 Mar 2017 / 19h33

Há 170 nascia em Curralinho o maior poeta romântico do Brasil, Antônio de Castro Alves. Autor dos mais brilhantes versos em favor da abolição da escravatura, o seu “Navio Negreiro” é um dos mais trágicos e belos retratos do drama vivido por aqueles que, capturados criminosamente em seus lares, eram mergulhados na mais abjeta condição que o ser humano já produziu: a escravidão. E Castro Alves tinha fortes ligações com Caetité... Caetité era a terra em que viveu e morreu o avô do poeta, o major José Antônio da Silva Castro, herói da luta pela Independência da Bahia e apelidado na guerra de “Periquitão”; sua tia Pórcia viveu aqui o drama amoroso de seu rapto, tão importante na história que foi retratado em diversos livros – desde o “ABC de Castro Alves” de Jorge Amado, ao romance “Sinhazinha”, do imortal da Academia Brasileira de Letras Afrânio Peixoto. Castro Alves fora colega do caetiteense Aristides de Souza Spínola que, com ele, fundou nos tempos de faculdade de direito uma sociedade abolicionista. Mas foi grande amigo de dois outros caetiteenses: Otaviano Xavier Cotrim e o também poeta Plínio de Lima. Finalmente, estando o poeta tuberculoso – a terrível doença que, sem cura, vitimava os jovens românticos de seu tempo – estava tudo certo para que ele viesse morar em nossa cidade, pois aqui encontraria o clima salutar para enfrentar a tísica. Seria o desfecho dessa relação que se fazia indireta, não tivesse Castro Alves sofrido um acidente de caça e falecido em decorrência do ferimento no pé. O poeta deixou sua marca na história caetiteense, contudo. E no dia de seus 170 anos, rendemos esta justa homenagem.