voltar ao topo

iCaetité

últimas notícias:

Caetité: homem vende carro e cai no golpe do depósito bancário falso

Festa de Sant’Ana 2017: um festival de fé, cultura e alegria em Caetité

Jovem é preso suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas em Caetité

Mais de 100 carros de boi participam de desfile em Caetité

Jovem é preso por tráfico de drogas em Bom Jesus da Lapa

Feira de Santana: Apostadores ateiam fogo em carros após suspeita de fraude em bingo

Carinhanha: casa foi tomada pelas chamas; proprietário suspeita que incêndio tenha sido criminoso

Riacho de Santana: Moto roubada é recuperada pela Polícia Militar

Jovem comete suicídio na zona rural de Carinhanha

Riacho de Santana: Homem morre em grave acidente na BR-430

FHC nega ‘acordão’ contra Lava Jato e defende diálogo “às claras” sobre crise

Campanha de vacinação contra gripe começa nesta segunda-feira

Bahia: 15 casos suspeitos de febre amarela são notificados em oito municípios

Prefeitura de Guanambi renova convênio de concessão do terminal rodoviário

Brumadense preso em Guanambi é alvejado por policiais ao tentar fugir da custódia

Caetité: Álvaro Montenegro é homenageado em Salvador com 'Medalha Tiradentes'

Bom Jesus da Lapa: Dupla atira e mata adolescente confundido com criminoso

Temer negociou propina de US$ 40 milhões para PMDB, diz delator

Homem comete suicídio por enforcamento na zona rural de Matina

Vacinação contra a gripe Influenza começa na próxima segunda-feira (17), em Guanambi

Caetité, pequenina e ilustre – Por Luzmar Oliveira

Terça / 14 Abr 2015 / 23h05

...Dos jantares em família

 

Eu nunca gostei de jantar. Mas meu pai adorava uma farofinha de carne rasgada (desfiada) ou com a sobra do frango do meio dia. E eu sempre “bicava” um pouco. Na verdade, fomos acostumados à sopa e ao café com “massa” à noite. Ah! “Com massa” quer dizer com pão com manteiga e outras coisinhas bastante sertanejas. A família se sentava ao redor da mesa para cear... Por nunca haver gostado de beber café, tomava o famoso Toddy.

 

Onde perdemos esses costumes? Onde deixamos de ser juntos, unidos, companheiros? Na lida do dia a dia? Na pressa das escolas noturnas, do transporte atrasado, das novelas, do Face, do “zapzap”? No trabalhar fora?

 

Uma mesa sempre agregou seus ocupantes. E ali residia um grande percentual da educação que os pais nos davam. Em algumas casas orava-se antes de comer. Mas em todas o costume era ter boas maneiras, lavar as mãos antes, só falar de coisas saudáveis e agradáveis. Uma cabeceira era do pai e a outra era da mãe. E os filhos se espalhavam pelas laterais. Não é que se ensinasse o uso corretíssimo dos talheres e do guardanapo. Não. Éramos um povo simples. Mas fazíamos questão da limpeza e educação. E a hora das refeições era sagrada!